O que é ação preferencial? (Guest Post do Yubb)

Débora Duarte e Bernardo Pascowitch, do Yubb

Na hora de escolher uma ação pelo home broker da sua corretora, você já deve ter tido que escolher entre uma ação preferencial e uma ação ordinária. Mas como saber a diferença entre as duas?

Se você não conhece nada sobre o mercado de ações e está pensando em começar a investir, esse é um ótimo momento.

Com um novo governo, a taxa SELIC (taxa básica de juros) está em um momento diferente. Ela está se mantendo estável em 6,5% e até mesmo com perspectiva de queda nas próximas reuniões do COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central).

Como resultado de um cenário de SELIC mais baixa, a renda variável tem se tornado cada vez mais atrativa do que a renda fixa.

O próprio Ibovespa (índice mais importante da bolsa de valores brasileira) está batendo muitos recordes e os investidores, cada vez mais, têm migrado suas aplicações para renda variável.

Se você já é um investidor de ações, ótimo! Este post pode te ajudar a entender melhor o que é uma ação preferencial.

Se você está entrando nesse mundo agora, melhor ainda! É muito importante adquirir conhecimento antes de entrar em um novo mercado.

No post de hoje, o Yubb, seu buscador de investimentos online e gratuito, está aqui no Clube do Valor para te explicar o que é uma ação preferencial e como funciona esse tipo de investimento. Será que vale a pena?

O que é uma ação?

acoes-preferenciais

Caso você não saiba, ação é uma “parte” ou uma “fração” de uma empresa – que precisa ser uma sociedade por ações aberta (também conhecida como sociedade anônima aberta). Ou seja, precisa ser uma sociedade com ações negociadas na bolsa de valores (no caso do Brasil, na B3). 

Essa pequena parcela é negociada diretamente na bolsa de valores (B3) e você, investidor, pode comprar uma ação e se tornar sócio (na terminologia jurídica, “acionista”) daquela empresa.

Se a empresa tiver bons resultados, além de você receber parte dos lucros (dividendos), a ação passa a valer mais e você ganha dinheiro com a valorização dos ativos da sociedade.

Mas é sempre importante lembrar que o investimento em ações é uma modalidade arriscada e indicada para investidores com perfil arrojado ou que já tenham experiência com investimentos.

Afinal, os preços das ações oscilam constantemente na bolsa de valores e estão sujeitos a diversos fatores internos da empresa e externos, de forma que o comportamento das ações é bastante imprevisível.

Tipos de ações

acoes-preferenciais

Agora que você entendeu o que é uma ação, é hora de explicar alguns tipos de ações existentes. As ações podem ser divididas principalmente em dois grupos: ordinárias (ON) e preferenciais (PN).

As ações ordinárias são aquelas em que os acionistas têm o direito de votar nas assembleias da empresa.

Isso significa que, se você comprar uma ação ordinária, você estará presente nas decisões daquela empresa e até mesmo votar em suas assembleias. É o tipo de ação que confere ao investidor poder decisório e direito de voto.

Dessa forma, as ações ordinárias são indicadas principalmente para investidores que pretendem ter participação na gestão da empresa.

Muitos investidores gostam de participar de assembleias e reuniões, votar nas matérias importantes, deliberar sobre os rumos da sociedade, entre outras questões.

Se você é um investidor com esse perfil, pode ser interessante optar pelas ações ordinárias. 

No entanto, é importante entender que as ações ordinárias possuem maior risco. Se a empresa for liquidada, os investidores que compraram ações preferenciais possuem prioridade em relação aos acionistas ordinários.

Via de regra, uma ação ordinária pode ser encontrada no home broker da sua corretora pelo número 3 na frente. PETR3, por exemplo, é a ação ordinária da Petrobras; ITUB3 é a ação ordinária do Itaú Unibanco; BBDC3 é a ação ordinária do Bradesco; e ENGI3 é a ação ordinária da Energisa S.A.

Entendido o que são as ações ordinárias? Então, agora sim chegou a hora de falarmos sobre as ações preferenciais!

O que é ação preferencial?

acoes-preferenciais

Diferente de uma ação ordinária, ao comprar uma ação preferencial você não tem direito de voto nas assembleias da empresa. No entanto, existem outras características de uma ação preferencial que podem ser interessantes e costumam chamar a atenção de muitos investidores.

Como o nome já diz, a ação preferencial tem muita relação com “preferência”. O acionista preferencial tem alguma prioridade com relação ao acionista ordinário, sendo que a preferência mais conhecida corresponde à preferência no recebimento dos dividendos daquela empresa.

Entretanto, existem também outras preferências possíveis, como por exemplo a prioridade no reembolso do capital. No caso das ações preferenciais, a lei determina que o dividendo deverá corresponder a, no mínimo, 25% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido da sociedade.

Caso você não saiba, “dividendo” é a parte do lucro da empresa que é distribuída para os acionistas. Essas distribuições, normalmente, são realizadas de três em três meses.

Se você comprou uma ação preferencial, você tem preferência no recebimento desses dividendos. Ou seja, você recebe antes em relação aos acionistas ordinários, além de receber também mais dividendos do que os acionistas que possuem as ações ordinárias.

Como eu mencionei no tópico anterior, outro ponto importante é o que acontece no caso de liquidação/dissolução daquela empresa. 

Nesse caso, o acionista preferencial possui prioridade no reembolso de capital – o que faz com que a ação preferencial seja um pouco menos arriscada.

Esse tipo de ação funciona da mesma forma do que uma ação ordinária. Para comprá-la, basta ter conta aberta em uma corretora de valores e operar pelo home broker.

Na prática, uma ação preferencial pode ser encontrada pelos números 4, 5, 6 ou 7 após a abreviação do nome da empresa. PETR4, por exemplo, é a ação preferencial da Petrobras; ITUB4 é a ação preferencial do Itaú Unibanco; BBDC4 é a ação preferencial do Bradesco; e ENGI4 é a ação preferencial da Energisa S.A.

Para quem as ações preferenciais são indicadas?

No tópico anterior, mencionamos que as ações ordinárias costumam ser compradas por investidores que desejam acompanhar a gestão da sociedade e participar de suas deliberações por meio do exercício do direito de voto.

De forma oposta, muitos investidores não possuem interesse em participar das decisões da empresa: estão mais interessados em ganhar dinheiro com a valorização das ações e com distribuição de dividendos.

Nesse sentido, se você quer lucrar com ações e não possui interesse em participar da tomada de decisão, então as ações preferenciais podem ser mais indicadas!

Vale a pena?

acoes-preferenciais

Em resumo, na hora de escolher entre ações preferenciais ou ações ordinárias, é importante levar em conta todos os fatores que foram explicados acima.

Se você é um investidor que tem o seu foco em dividendos, talvez a ação preferencial seja o melhor investimento, já que você terá preferência no recebimentos desses dividendos.

Por outro lado, um acionista preferencial tem pouco controle sobre as decisões daquela empresa, já que não possui direito de voto nas assembleias.

Também é interessante dizer que as ações preferenciais, na maioria dos casos, possuem uma liquidez maior. Ou seja, é mais fácil realizar a compra e venda de uma ação PN.

Como você deve ter percebido, os tipos de ações estão diretamente ligados à relação que o acionista terá com aquela empresa.

Por isso, você deve colocar todas essas características “na balança” e decidir qual é a relação que você deseja ter com aquela empresa. Dessa forma, fica simples escolher se vai comprar uma ação preferencial ou uma ação ordinária.

Entendeu o que é ação preferencial? Pretende comprar esse tipo de ação? Deixe seu comentário aqui embaixo!

Débora Duarte

Débora é produtora de conteúdo no Yubb e formada em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Bernardo Pascowitch

Bernardo é fundador e CEO do Yubb, buscador de investimentos totalmente gratuito para qualquer pessoa encontrar opções para aplicar melhor seu dinheiro. Bernardo é formado em direito pela Universidade de São Paulo (USP).


Artigos Relacionados