Adam Smith: A História e o que o Pai da Economia Moderna Tem a Nos Ensinar Sobre A Vida

Adam Smith.

Simplesmente o pai da economia moderna.

Eu poderia apostar que Smith tem um papel fundamental na sua vida.

Sim.

Por mais que você não saiba, o mundo atual é muito influenciado pelas ideias de Adam Smith.

Afinal, sua teoria do liberalismo econômico e do livre mercado foram responsáveis por muitos dos avanços da humanidade e pelo desenvolvimento do capitalismo.

Se você quer melhorar os seus investimentos, então precisa conhecer um pouco mais sobre as principais teorias de Adam Smith, o seu legado e as suas principais ideias.

Por isso, esse novo artigo do Clube do Valor é dedicado a ele.

Aqui, eu quero te mostrar quem foi Adam Smith, quais são as suas principais teorias e como elas afetam o universo de investimentos que conhecemos hoje.

Então continue lendo para aprender mais sobre…

QUEM FOI ADAM SMITH?

Adam Smith nasceu na Escócia e foi um renomado filósofo e economista britânico.

Ele nasceu em 1723 e veio a falecer aos 67 anos de idade, em 1790.

Pouco se sabe a respeito de sua infância.

Os registros históricos contam que o pai de Adam Smith faleceu quando ele ainda era muito novo.

A sua biografia também revela que ele até teria vivenciado um sequestro quando tinha apenas quatro anos de idade, retornando para sua mãe em segurança.

Aos 14 anos, ingressou na Universidade de Glasgow, onde se graduou em 1740 e conseguiu uma bolsa de estudos para a Universidade de Oxford, onde estudou filosofia.

Seis anos depois, Adam Smith voltou para a Escócia para lecionar em Edimburgo.

Por causa de seu conhecimento filosófico, tornou-se um grande amigo de David Hume, outro grande nome da história da sociedade ocidental.

Essa tendência filosófica resultou na publicação de sua primeira grande obra em 1759, “Teoria dos Sentimentos Morais”.

Nesse momento, Adam Smith ainda não havia dado um enfoque totalmente econômico para o seu pensamento.

O seu primeiro livro, como deixa bem claro o título, trata de questões morais e tem uma postura simpática com relação ao comportamento do ser humano.

Smith propõe uma teoria da simpatia, em que o ato de imaginar-se no lugar dos outros torna as pessoas conscientes de si e da moralidade de seu comportamento.

Porém, os anos seguintes de sua vida transformariam a sua visão de mundo e o fariam enveredar para outra vertente.

Em sua fase produtiva, Adam Smith vivenciou a era do Mercantilismo e dos reinados absolutistas.

O grande impacto que esses sistemas tinham em sua vida o fizeram revisar suas teorias e escrever, em 1776, o seu segundo livro, “A Riqueza das Nações”.

Essa é uma obra muito influente, tanto no âmbito acadêmico quanto no prático.

O livro apresenta conceitos importantes para o que viria a ser a Economia Moderna, como o liberalismo econômico e o livre mercado.

Depois dessa publicação, Adam Smith foi convidado a ocupar o posto confortável de comissário da alfândega da Escócia, onde permaneceu até a sua morte em 1790.

A TEORIA DO LIBERALISMO ECONÔMICO

Adam Smith era um grande defensor da liberdade.

O livre mercado era apenas uma consequência disso.

Na época em que viveu, o Mercantilismo e o Absolutismo reinavam supremos, causando o empobrecimento da camada mais sensível da população.

No final das contas, Smith foi um defensor do “interesse geral”.

“Nenhuma nação pode florescer e ser feliz enquanto grande parte de seus membros for formada de pobres e miseráveis.”

Ele se preocupava com a sociedade, com o povo, com o trabalhador e com os mais pobres.

Para concretizar os seus objetivos, ele recorreu ao o que ele enxergava ser o completo oposto do sistema em vigor na época: o liberalismo econômico.

“Ao perseguir seu próprio interesse, [o indivíduo] frequentemente promove o da sociedade de forma mais eficaz do que quando ele realmente pretende promovê-lo.”

Nessa passagem em sua obra mais célebre é possível ver o impacto que os sentimentos morais (interesse próprio) ainda causavam em seu pensamento.

Dessa vez, porém, há um grande enfoque na economia e como ela impacta a sociedade.

A premissa básica de seu pensamento era a de que o governo não precisa interferir na economia.

Um mercado livre produzirá bens e serviços na quantidade e no preço que a sociedade espera.

Isso só acontece porque a sociedade, em busca do lucro, irá responder às demandas do mercado.

Mais uma célebre frase resume esse raciocínio:

“Assim, o mercador ou comerciante, movido apenas pelo seu próprio interesse (self-interest), é levado por uma mão invisível a promover algo que nunca fez parte do interesse dele: o bem-estar da sociedade.”

Adam Smith explica que essa “mão invisível” não funcionaria adequadamente se houvessem impedimentos ao livre comércio.

O DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO

O liberalismo econômico é uma das teorias fundamentais do capitalismo.

É por isso que muitos acreditam que Adam Smith é um dos maiores responsáveis pelo desenvolvimento desse sistema econômico.

O capitalismo é o sistema que está em vigor até hoje na maior parte do mundo.

Nesse modelo, os meios de produção, distribuição, a oferta/demanda/preço e os investimentos são em grande parte (ou até totalmente, dependendo da nação) responsabilidade da propriedade privada.

Para você entender a importância disso, podemos dizer que é o capitalismo que permite que você compre o que você quer com o dinheiro que você ganha.

Adam Smith foi um defensor dessa liberdade e acreditava que ela serviria para autorregular a sociedade.

O capitalismo também se refere a acumulação de capital, um passo essencial para alcançar a independência financeira.

No final das contas, devemos agradecer a Adam Smith por ajudar a desenvolver o sistema econômico vigente atualmente, o capitalismo que nos permite perseguir nossos objetivos através de nossos próprios esforços.

Não à toa, eu sou um grande fã de Smith.

Afinal, para mim a liberdade é o principio de tudo e é o que deve reger a nossa vida.

Aliás, sobre esse ponto, eu sugiro um artigo muito bacana que escrevi sobre dicas para você conquistar a sua liberdade financeira.

O LEGADO DE ADAM SMITH

Não há dúvidas de que Adam Smith foi um dos economistas mais importantes da história.

Além de pavimentar o caminho para o capitalismo através da teoria do liberalismo econômico, ele também é o responsável por tornar a Economia uma disciplina separada.

O seu pensamento sistemático e estruturado em torno dela – principalmente por meio da obra “Riqueza das Nações” –, conferiu esse caráter importante que se mantém até hoje.

Antes de Adam Smith, os antigos tratavam e Economia sem saber de sua fundamental importância para as relações humanas e sociais.

Hoje, podemos até dizer que a Economia é a “Rainha das Ciência Sociais”.

Isso porque ela é determinante para disciplinas como Sociologia, Política, Estudos Sociais e Administração.

Após a sua morte, descobriu-se que boa parte de seus rendimentos foram direcionados a obras secretas de caridade.

Os contemporâneos de Adam Smith o descreveram com o homem com um intelecto excêntrico e acima da média, mas muito benevolente.

Uma verdadeira lição para todos nós.

CONCLUSÃO

Esse é um texto diferente dos que eu costumo postar aqui no Clube do Valor.

Embora alguns acreditem que só devamos olhar para nomes como Warren Buffet, Benjamin Graham, Joel Greenblatt e John Templeton, eu realmente acredito que a história tem muito a nos ensinar com outros pensadores importantes.

Ao estudarmos o passado, entendemos o nosso presente e evitamos cometer os mesmos erros no futuro.

“O que vai gerar a riqueza das nações é o fato de cada indivíduo procurar o seu desenvolvimento e crescimento econômico pessoal.”

Estude, estude e estude!

Essa é a mensagem que eu e Adam Smith queremos deixar para você.

Se você gostou desse artigo, certamente gostará também destes artigos aqui:

Um forte abraço,

Ramiro.

  • Henrique Devidé

    Gostei muito deste artigo. Parabéns Ramiro.

    • Ramiro Gomes Ferreira

      Muito obrigado pela participação, Henrique! Forte abraço!