Os ETFs (Exchange Traded Funds, no termo original em inglês) e os fundos indexados são as duas faces da gestão passiva. São semelhantes em conceito, mas diferentes em operação, cada um com suas vantagens e desvantagens. E as diferenças entre eles poderão influenciar na sua decisão na hora de investir em um ou outro, dependendo de seus objetivos e estratégia a médio e longo prazo.

Tanto os ETFs quanto os fundos indexados têm como função principal replicar índices da bolsa de valores, mas cada um faz essa tarefa de forma diferente.

Como funcionam os ETFs?

etfs e fundos indexados

Um ETF é um fundo negociado em bolsa. Ou seja, é um fundo de investimento que funciona como se fosse uma ação para fins práticos. Isto afeta tanto sua contratação quanto seu funcionamento (e sua tributação).

Os ETFs são projetados para rastrear o mais próximo possível o preço de um índice ou de um conjunto de ativos subjacentes. Por isso estão sempre atrelados a um indicador de referência, como o Ibovespa, por exemplo.

Pelo fato de funcionarem como ações, os ETFs são negociados abertamente e podem ser comprados e vendidos a qualquer momento do dia pelo preço estabelecido pelo mercado. Com fundos indexados você também pode fazer um pedido a qualquer momento, mas a subscrição ou resgate terá lugar apenas no final do dia pelo seu valor patrimonial líquido. Além disso, como as ações, eles são comprados de acordo com seu valor intradiário no momento em que o pedido é feito e não há requisitos mínimos de investimento. Em outras palavras, você pode investir a partir do preço de uma ação.

Por outro lado, as ETFs não têm taxas de subscrição ou resgate, embora como normalmente são compradas ou vendidas através de um corretor, você pagará comissões na compra e venda, como faz com uma ação.

Em contrapartida, quando você compra ações de um ETF, na verdade você não acaba possuindo uma parte dos ativos subjacentes, como seria o caso das ações de uma empresa. A empresa de serviços financeiros que administra o ETF possui os ativos, e ajusta o número de ações ETF em circulação enquanto tenta manter seu preço em sincronia com o valor dos ativos subjacentes ou do índice de referência.

ETFs e a diversificação da carteira

Um dos conceitos mais importantes de investimento sólido é a diversificação. Você não deve investir em uma gama muito estreita de títulos ou apenas em uma classe de ativos, mas sim ter o objetivo de construir uma carteira diversificada com uma variedade de títulos e ativos. Isto protege sua riqueza: Quando alguns ativos estão perdendo terreno, outros devem ter um desempenho superior.

Os ETFs facilitam a diversificação de sua carteira de investimentos. ETFs de commodities, metais preciosos e moedas tornam possível para os investidores adicionarem facilmente exposição a classes alternativas de ativos simplesmente comprando ações de ETF.

Assista este vídeo e saiba mais sobre diversificação de investimentos!

Como funciona um Fundo Indexado?

Um fundo indexado é um fundo de investimento que procura replicar um índice específico da bolsa de valores. Funciona quase exatamente da mesma forma que um fundo de investimento normal. Isto acontece porque o cálculo de seu valor patrimonial líquido é feito no final do dia, têm a possibilidade de incluir valores mínimos de investimento, possíveis retrocessões e diferentes classes, assim como vantagens fiscais para a transferência de fundos.

A grande diferença entre os fundos indexados e os fundos tradicionais é que, como não há uma gestão ativa por uma equipe especializada, as taxas são muito mais baixas.

Diferenças entre ETFs e Fundos Indexados

etfs e fundos indexados

Algumas das maiores diferenças que existem entre os ETFs e os Fundos Indexados são:

1- Acessibilidade. ETFs são ações, e como tal você pode contratá-las livremente em qualquer corretor que opere no mercado em que a ETF está listada. Este não é o caso dos fundos indexados, e muitos gestores de fundos restringem sua comercialização a certas entidades. 

2- Compra e venda. Com uma ETF você terá que pagar por cada transação de compra e venda, da mesma forma que com uma ação. Esta compra e venda também será imediata ao valor listado naquele momento. Nos fundos de índice pode haver uma comissão de subscrição e resgate (nem todos se aplicam) e a compra não será feita ao preço do ativo líquido no fechamento do dia.

3- Taxas. As comissões das ETFs são inferiores às dos fundos indexados, mas em troca, cada vez que você fizer uma movimentação você terá que pagar por ela. Por exemplo, se você estiver pensando em fazer contribuições regulares para uma ETF, cada contribuição terá um custo, algo que não acontece com os fundos indexados.

4- Tributações. A tributação é uma das principais vantagens dos fundos indexados em relação aos ETFs. Os fundos indexados são tributados como fundos de investimento, de modo que a transferência entre fundos é isenta de impostos.  Isto cria um diferimento fiscal muito vantajoso para investimentos de longo prazo. Com as ETFs esta vantagem não é clara, já que, os ETFs são tributados como ações, pelo qual você deverá pagar impostos. 

Então, qual é mais interessante na hora de investir: ETFs ou Fundos Indexados?

A resposta para essa questão dependerá de cada caso, dos seus objetivos e das suas preferências de investimentos

Os ETFs são mais acessíveis e mais fáceis de comprar se você já tiver negociado ações anteriormente. Além disso, as taxas gerais são mais baixas se você estiver pensando em comprar e esperar. Mas por outro lado, tendo em conta tudo o que já comentamos neste artigo, deixando de lado essa vantagem fiscal, os fundos indexados são tão apropriados quanto os ETFs para criar uma carteira de gestão passiva.


Espero que tenha gostado deste conteúdo e que possa te ajudar nas suas decisões de investimento! Se você quiser auxílio para montar e gerir a sua carteira de investimentos, conheça os serviços de gestão de investimentos que proporcionamos para você aqui, no Clube do Valor.