O Que É Plano De Negócios? O Guia Completo Para Realizar O Sonho Do Negócio Próprio

Já sonhou em ser o dono do seu próprio negócio?

Uma ideia que chama a atenção pelas inúmeras possibilidades que ela pode te oferecer, não é mesmo?

  • Ser seu próprio chefe;
  • Conseguir aumentar a sua receita à medida que a sua empresa cresce;
  • Ter mais flexibilidade nos horários…

É claro que também existem pontos negativos ao se abrir uma empresa, como:  

  • Imprevisibilidade do faturamento;
  • Encargos trabalhistas;
  • Burocracia do governo…

São dois lados de uma mesma moeda que devem ser muito bem analisados antes de se pensar em empreender.

Agora, há algo que passa despercebido pela maioria das pessoas quando o assunto é abrir um negócio:

A falta de planejamento.

O reflexo disso é a quantidade de negócios que não sobrevivem aos dois primeiros anos, como revelam os resultados da pesquisa do SEBRAE, divulgados pela revista Exame:

1 a cada 4 empresas fecha antes de completar dois anos no mercado!

Mas, se você ainda sonha em empreender, não desanime.

Se você quer muito abrir o seu próprio negócio, mas precisa de uma “mãozinha” para colocar a sua ideia em prática, saiba que eu preparei este artigo para ajudar você nessa tarefa.

Estou prestes a te apresentar uma ferramenta incrível que você deve utilizar ao começar seu novo negócio: o Plano de Negócios 2.0.

Primeiro, vou te explicar o que é e como funciona um plano de negócios “padrão”.

Depois, vou te apresentar a versão 2.0, que é a melhor forma para você tirar de uma vez por todas a sua ideia do papel.

Ficou ansioso para saber o que mais vem por aí?

Então confira abaixo os principais pontos deste conteúdo:

    As 15 escolhas financeiras ERRADAS que você pode evitar se seguir o nosso passo a passo

    Clique abaixo para baixar agora mesmo o infográfico com as 15 escolhas financeiras erradas que você pode evitar no seu futuro

    O QUE É PLANO DE NEGÓCIOS? CONHEÇA O MODELO “PADRÃO” DE PLANEJAMENTO

    o-que-e-plano-de-negocios

    Afinal, o que é um plano de negócios?

    Vou responder a essa pergunta por meio de uma comparação simples:

    Para que uma viagem aconteça, por exemplo, você precisa:

    • Planejar para onde vai;
    • Definir quantos dias pretende se hospedar;
    • Qual o valor que você terá que desembolsar…

    Quem tenta abrir um negócio pela primeira vez passa por uma situação semelhante.

    Nesse caso, entretanto, o viajante se chama empreendedor, e o seu planejamento é uma valiosa ferramenta:

    O plano de negócios.

    De forma mais conceitual, podemos definir um plano de negócios como:

    “Um documento que apresenta, por escrito, quais os objetivos de uma proposta de negócio, detalhando os passos que devem ser seguidos para que estes possam ser alcançados”.

    Ou seja, é um documento que permite visualizar os principais pontos do seu negócio antes mesmo da sua abertura, ajudando-o a identificar e eliminar erros com facilidade.

    Além disso, quando um plano está completo, ele deve ser capaz de responder à seguinte questão:

    “Vale a pena investir nessa ideia de negócio?”

    E mesmo que ele seja útil de alguma forma, eu tenho algumas considerações que vão te mostrar por que um plano de negócios “padrão” deve ser a sua última escolha na hora de planejar o seu empreendimento.

    Ficou curioso para saber mais sobre a minha opinião?

    Continue lendo, pois eu vou contar tudo agora!

    QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DE UM PLANO DE NEGÓCIOS “PADRÃO”?

    o-que-e-plano-de-negocios

    Um plano de negócios “padrão” é aquele maciço de páginas que circula pelas turmas de empreendedorismo nas universidades.

    Funciona por meio de uma estrutura definida, semelhante entre a maioria dos modelos disponíveis e que é composta pelas seguintes partes:

    • Sumário Executivo: resume o seu negócio, apresentando os principais pontos da proposta;
    • Análise do Mercado: ajuda na identificação de clientes e dos problemas que eles enfrentam;
    • Plano de Marketing: apresenta as informações dos produtos ou serviços que você vai oferecer;
    • Plano Operacional: detalha o arranjo físico e a distribuição da linha de produção;
    • Plano Financeiro: determina o total de recursos que serão investidos no seu negócio.

    E, analisando cada um dos elementos do plano “padrão”, você pode até argumentar que são pontos importantes para a abertura de uma empresa.

    De fato, se você conseguir dispor de todos esses dados com exatidão, alcançará o sucesso nos negócios.

    Porém, há um grande problema com esse método convencional de planejamento:

    Ele é elaborado antes de você fazer qualquer venda!

    Em outras palavras, ainda que você se dedique a coletar muitos dados, ao final você ainda terá seu plano baseado em suposições, em expectativas do mercado que, quase sempre, não traduzem a realidade.

    Basta você fazer uma pesquisa de mercado, procurando investigar o número de possíveis compradores para a sua nova ideia.

    Ainda que você colete resultados animadores, o número real de compradores vai ser muito menor do que o da sua pesquisa.

    Além disso, um plano de negócios “padrão” leva muito tempo para ser construído, fazendo com que você perca agilidade na hora de abrir a sua empresa.

    Mas, atenção:

    Isso não significa que você não deva ter um planejamento!

    Você precisa de um plano sim, mas que seja eficiente, que não precise de semanas para ser elaborado e que não esteja baseado apenas em expectativas.

    Agora você deve estar se perguntando:

    “Ramiro, como, então, eu posso planejar um negócio de forma eficiente?”

    É isso que eu vou te revelar nos próximos tópicos.

    PLANO DE NEGÓCIOS 2.0: MAXIMIZE OS RESULTADOS DO SEU NEGÓCIO DOS SONHOS

    o-que-e-plano-de-negocios

    A ferramenta que você vai conhecer agora é uma evolução do plano de negócios “padrão”.

    Ele vai te permitir avaliar, na prática, os resultados que você pode obter ao empreender, fazendo com que você aprimore constantemente o seu produto ou serviço e conquiste, assim, retornos muito maiores.

    Eu batizei esse modelo de planejamento de Plano de Negócios 2.0.

    E antes de te mostrar como ele é estruturado e como você pode utilizá-lo, preciso ressaltar três pontos cruciais para que esse modelo funcione:

    1 – Utilize o MVP para validar a sua proposta

    É a primeira etapa para que seu plano de negócios possa decolar.

    “Mas, Ramiro, eu não faço ideia do que seja um MVP!”

    MVP é a sigla para Minimum Viable Product (ou Produto Mínimo Viável).

    É uma estratégia que se baseia no lançamento de produtos ou serviços inéditos com o menor investimento possível.

    Isso permite testar o seu negócio antes que você invista mais dinheiro nele.

    Esses lançamentos são cíclicos, ou seja, você vende, coleta feedbacks, melhora o seu produto, vende de novo, avalia os resultados e continua evoluindo.

    Para ficar mais claro, veja o exemplo a seguir:

    o-que-e-plano-de-negocios

    Suponha que o seu principal problema seja deslocamento.

    Você precisa de um produto ou serviço que possa te levar de um lugar a outro.

    Eu consigo imaginar a sua reação, se você estivesse procurando por uma solução e alguém te oferecesse uma roda.

    Use a analogia do primeiro exemplo para evitar produtos que sejam tão mínimos a ponto de não resolverem o principal problema do seu consumidor.

    Lembre-se sempre do problema a ser resolvido, descubra como o seu MVP oferecerá soluções válidas ao seu cliente e aprimore seu produto ao final de cada ciclo.

    É o que ilustra muito bem o segundo exemplo, onde os produtos oferecem uma mesma solução – mobilidade – só que em níveis diferentes de satisfação.

    2 – Conheça muito bem os seus clientes

    Por mais inovadora que a sua ideia pareça, se você não tiver pessoas dispostas a comprar, você está fadado ao fracasso.

    Você vai sofrer com isso quando tiver uma ideia de negócio que seja incapaz de oferecer qualquer tipo de solução às pessoas.

    Portanto, conheça muito bem as principais características da sua clientela para acertar em cheio na hora de lançar o seu MVP.

    Mantenha contato constante com seus clientes e identifique soluções para os seus principais problemas, suas dificuldades e como você pode criar algo de valor para eles.

    De nada adianta focar no planejamento do seu negócio e esquecer do contato constante com aqueles que vão consumir seu produto ou serviço, ou seja, aqueles que serão a sua fonte de receita.

    3 – Deixe espaço para adaptações

    Seu plano deve permitir rápidas modificações, como o acréscimo de informações pertinentes ou a retirada daqueles dados que não forem mais necessários.

    E aqui vai uma dica valiosa para não errar logo no começo da sua empreitada:

    Desapegue de ideias que deixem de ser promissoras!

    Se todas as evidências forem negativas, reavalie a sua proposta ou desista dela, procurando por uma ideia melhor.

    Depois que você tiver esses três pontos muito claros em sua mente, estará pronto para partir para a ação.

    Hora de aprender a utilizar um plano de negócios!

    COMO UTILIZAR O PLANO DE NEGÓCIOS 2.0? UM PASSO A PASSO PARA ABRIR A SUA PRÓPRIA EMPRESA

    o-que-e-plano-de-negocios

    Existem duas “versões” do plano de negócios 2.0 que podem ser igualmente eficientes.

    Tudo depende das suas necessidades e o quanto você pretende se aprofundar:

    1 – LEAN START-UP (“STARTUP ENXUTA”)

    Esse é o modelo de planejamento mais simples.

    Consiste em estruturar uma empresa “enxuta”, definir o seu MVP e efetuar vendas para poucos clientes.

    É um modelo prático de experimentação, onde você realiza testes para verificar se o seu produto será aceito.

    Para aplicá-lo, primeiro você precisa de uma ideia.

    A forma mais eficiente de se conseguir isso é entendendo o que você tem a oferecer, o que as pessoas precisam e qual problema você pode solucionar com o que sabe ou com o seu produto.

    Depois, execute a ideia, entregando o MVP no menor espaço de tempo possível.

    Faça as primeiras vendas para que seu produto ou serviço seja testado.

    Essa primeira avaliação é fundamental para descobrir se o que você está vendendo é útil às pessoas.

    Meça a satisfação dos clientes, analisando dados como:

    • Faturamento por cliente;
    • Nível de satisfação;
    • Problemas não solucionados;
    • Sugestões de melhorias…

    Utilize essas informações para refinar o seu MVP.

    Isso permitirá que você venda mais, cobrando mais e reduzindo custos.

    Por fim, tenha consciência de que este modelo é recorrente, ou seja, você deve repetir o processo constantemente, caso contrário, será facilmente superado pela concorrência.

    2 – BUSINESS MODEL CANVAS

    É o modelo sob o qual nosso Plano de Negócios 2.0 se baseia.

    Permite um gerenciamento estratégico maior do que o anterior.

    E, apesar de possuir mais conteúdo e demandar mais tempo, ainda assim é muito mais eficiente do que o trabalhoso plano de negócios “padrão”.

    A aplicação deste planejamento consiste no preenchimento de nove grandes blocos de temas pré-estabelecidos, conforme o modelo abaixo:

    o-que-e-plano-de-negocios

    Para que você possa preencher seu Canvas corretamente, vou desvendar os detalhes por trás de cada bloco agora:

    SEGMENTO DE CLIENTES

    É o bloco que define os diferentes grupos de pessoas ou organizações que uma empresa pretende atingir.

    Já ouviu a máxima:

    “Quem vende para todo mundo, não vende para ninguém.”

    Para evitar esse erro comum, defina quais segmentos servir e quais ignorar.

    Uma vez tomada a decisão, você será capaz de destacar qual o seu nicho de mercado.

    Para preencher este bloco, portanto, identifique:

    • Quem são os seus clientes;
    • Onde eles estão;
    • Quais as suas principais características.

    CANAIS

    Como você vai chegar até os seus clientes?

    É para resolver essa questão que você precisa descobrir os principais Canais.

    Por meio deles, você:

    • Amplia o conhecimento dos clientes sobre os produtos e serviços da empresa;
    • Ajuda os clientes a avaliar a Proposta de Valor de uma empresa;
    • Oferece aos clientes produtos e serviços específicos;
    • Leva uma Proposta de Valor aos clientes;
    • Fornece suporte ao cliente após a compra.

    RELACIONAMENTO COM CLIENTES

    Estar próximo dos clientes é essencial para colher feedbacks e continuar aprimorando seu produto.

    É fundamental, portanto, para que você complete os vários ciclos do MVP.

    Além disso, é por meio do relacionamento que você consegue reter clientes.

    Você precisa, entretanto, descobrir como entrar em contato, quando e por onde.

    PROPOSTA DE VALOR

    É o fator que levará seu cliente a escolher você em vez de comprar do seu concorrente.

    Para que a proposta tenha sucesso, ela deve resolver um problema ou satisfazer uma necessidade do seu consumidor.

    Você pode defini-la fazendo as seguintes perguntas:

    • Qual o benefício principal do meu produto ou serviço?
    • Qual a transformação que ele gera?
    • Qual o valor que ele agrega para outras pessoas?

    FLUXO DE RECEITA

    Eu sei que, até agora, enfatizei muito a importância de ideias que sejam minimamente viáveis e que atendam às necessidades mais urgentes das pessoas.

    Você deve estar pensando, então, onde entra o dinheiro nessa história.

    De fato, qualquer negócio precisa de fontes de receita para funcionar.

    Portanto, preste bastante atenção a esse bloco, determinando se as suas receitas serão oriundas de pagamentos únicos ou se serão obtidas por meio de pagamentos recorrentes.

    Estipular a forma pela qual você vai receber – dinheiro, cartão, transferência etc. – por seus produtos ou serviços também é necessário para que seu fluxo de receitas fique ainda mais claro.

    RECURSOS-CHAVE

    São os recursos fundamentais para que o seu negócio possa funcionar.

    Para isso, identifique quais os ativos que o seu empreendimento precisa ter para começar a operar.

    Podem ser:

    • Imóveis;
    • Máquinas e equipamentos;
    • Pessoas;
    • Serviços de terceiros…

    Em resumo, qualquer recurso material, financeiro ou humano essencial para o desempenho das atividades.

    ATIVIDADES-CHAVE

    Como destaquei acima, os recursos são a base para o desempenho das atividades.

    E as atividades são as rotinas que você precisa estipular para que sua empresa possa atuar.

    Identifique quais atividades são necessárias para a entrega da sua proposta de valor, a manutenção do relacionamento com clientes e a preservação das fontes de receita.

    PARCERIAS-CHAVE

    São os seus fornecedores, mas são chamados de “parcerias” aqui porque são pessoas que vão te ajudar a acessar mais clientes e retê-los melhor, a prestar melhor seus serviços e a vender mais.

    Existem quatro tipos distintos de parcerias:

    1. Parceria estratégica entre não-concorrentes;
    2. Colaboração estratégica entre concorrentes;
    3. Joint Ventures com o objetivo de criar novos negócios;
    4. Vínculo comprador-fornecedor, garantindo suprimentos confiáveis.

    Identifique as possibilidades que estão a sua volta e coloque-as neste bloco.

    ESTRUTURA DE CUSTOS

    Você deve destacar neste bloco os custos mais relevantes envolvidos na execução do seu negócio.

    Identifique as atividades que demandam os maiores custos e os recursos que representam uma parcela significativa da receita.

    Criar mais valor e manter o relacionamento estreito com clientes, por exemplo, são processos que geram custos consideráveis.

    VAMOS TRABALHAR?

    Sim!

    Mas, antes de encerrar este conteúdo e te presentear com o nosso Plano de Negócios 2.0, quero responder a uma dúvida comum aos empreendedores de primeira viagem…

    O QUE É UM PLANO DE NEGÓCIOS? OUTRAS DÚVIDAS COMUNS

    o-que-e-plano-de-negocios

    O QUE É EMPREENDEDORISMO?

    Uma palavra que tanto se ouve, mas que poucos conseguem definir com exatidão:

    Empreendedorismo.

    Geralmente, as pessoas relacionam o termo à criação de empresas ou de novos produtos e serviços.

    Mas, existe uma definição precisa para essa palavra?

    Para responder a essa pergunta precisamos retornar à origem do termo, cunhado pelo economista Joseph Schumpeter, em 1950.

    De acordo com ele, empreender está profundamente ligado ao conceito de inovação, o que é uma das formas as quais entendemos o empreendedorismo hoje.

    O empreendedor é responsável por novas ideias, por criar produtos ou serviços que resolvam novos problemas ou velhos problemas de maneira inusitada.

    Com tantos atributos atrelados ao conceito de empreendedorismo, fica difícil de determinar um significado exato para o termo.

    É um assunto tão extenso que eu me dediquei a produzir um artigo inteiro falando apenas sobre isso.

    Se quiser mais respostas sobre o que é empreendedorismo e como você pode se tornar um empreendedor de sucesso, não deixe de ler esse conteúdo completo.

    CONCLUSÃO: COMECE A PLANEJAR AGORA O SEU NEGÓCIO DOS SONHOS!

    o-que-e-plano-de-negocios

    E assim encerro mais um artigo do Clube do Valor!

    Eu respondi à sua principal dúvida – o que é plano de negócios – e ainda me propus a revelar o modelo de planejamento dos empreendedores de sucesso.

    Você descobriu os principais pontos dessa ferramenta poderosíssima e agora já é capaz de arregaçar as mangas e aplicar todo esse conhecimento.

    Siga os passos que eu revelei neste artigo e, com certeza, o sucesso e a independência financeira estarão cada vez mais perto de você.

    Mas antes, que tal dividir com a gente a sua ideia de produto ou serviço, comentando abaixo?

    E lembre-se também de compartilhar este artigo, para que mais pessoas conquistem o sonho do negócio próprio.

    As 15 escolhas financeiras ERRADAS que você pode evitar se seguir o nosso passo a passo

    Clique abaixo para baixar agora mesmo o infográfico com as 15 escolhas financeiras erradas que você pode evitar no seu futuro

    Eu vou ficando por aqui.

    Um forte abraço,

    Ramiro Gomes Ferreira.


    Artigos Relacionados

    close

    Quer ter um checklist exclusivo com 12 METAS FINANCEIRAS para você?

    Clique no botão abaixo e baixe gratuitamente esse material incrível do Clube do Valor!