As diversas oportunidades disponíveis no mercado financeiro podem ajudá-lo a alcançar objetivos distintos. Ao investir em ações, por exemplo, é possível focar naquelas com pagamento de dividendos mensais.

Essa é uma forma de obter um rendimento periódico e de favorecer o recebimento de renda passiva. Para tanto, é necessário avaliar as características certas dos ativos e também utilizar uma metodologia que possa ser aplicada ao longo do tempo.

Para que você saiba como investir com foco em dividendos mensais, veja o passo a passo para escolher os ativos!

O que são dividendos?

Os dividendos são classificados como proventos, os quais são uma espécie de remuneração para os investidores. O pagamento de dividendos, especificamente, é feito pela divisão de parte do lucro entre os investidores.

A distribuição é feita de maneira proporcional à quantidade de ativos que cada pessoa tem. Os dividendos costumam ser pagos para investidores de dois ativos principais: ações e cotas de fundos imobiliários (FIIs).

As companhias de capital aberto listadas na bolsa são obrigadas a distribuir uma parte do lucro ao pagar dividendos, sendo que a porcentagem e a frequência ficam a critério de cada empresa. Já os FIIs precisam distribuir, no mínimo, 95% dos seus resultados líquidos apurados.

Por que montar uma carteira de dividendos?

Sabendo que os dividendos são uma forma de remuneração dos investidores, pode ser interessante compor uma carteira com foco nesse recebimento. Afinal, essa é uma maneira de ampliar o retorno dos ativos e, consequentemente, do seu portfólio.

Com isso, buscar ações que façam pagamentos de dividendos mensais pode favorecer a recorrência e a previsibilidade das suas finanças. Assim, é possível ter ganhos ao longo do tempo sem precisar vender os papéis, por exemplo.

Dependendo da sua estratégia, do valor investido e da composição de carteira, os rendimentos de uma carteira de investimentos podem cobrir suas despesas mensais. Com isso, há a geração de renda passiva suficiente para atender às suas obrigações financeiras.

Quando esse cenário acontece, você terá alcançado a independência financeira. Ou seja, poderá parar de trabalhar, se for do seu interesse. Isso pode aumentar sua liberdade na tomada de decisão e até a proteção do seu orçamento.

Passo a passo para encontrar ações com dividendos mensais

dividendos

Diante do interesse de compor sua carteira com foco em dividendos, é possível investir em ações. Encontrar boas pagadoras de dividendos, entretanto, exige atenção a determinados critérios, além de uma metodologia clara.

Pensando nisso, o passo a passo a seguir pode ajudá-lo a determinar o momento de comprar e de vender ações, de acordo com as suas características. Continue a leitura e veja como montar seu portfólio!

Defina os objetivos e o valor a investir

A primeira etapa para compor esse tipo de carteira é entender quais são os seus objetivos com os investimentos. A intenção é garantir que as suas decisões estejam alinhadas com as suas expectativas e necessidades.

Afinal, os dividendos das ações devem ajudar na conquista desses resultados. Um método que pode ser utilizado é o goal-based investing. A ideia é investir de forma totalmente direcionada para os seus objetivos, considerando prazos e valores.

O ideal é que você liste tudo o que deseja alcançar e que o dinheiro pode ajudá-lo a obter. Além do objetivo em si, inclua qual é a quantia necessária e a data estimada para alcançá-lo.

De acordo com esse período, é possível dividir em curto, médio e longo prazo. Como isso interfere diretamente no risco, os ativos a serem considerados também são diferentes. Veja como nosso método divide as possibilidades:

  • curto prazo: preferencialmente, renda fixa pós-fixada;
  • médio prazo: renda fixa com prazo de vencimento condizente, podendo ser prefixada, pós-fixada ou híbrida;
  • longo prazo: renda variável, como ações, caso você tenha a tolerância ao risco necessária.

Portanto, sua carteira de dividendos deve, necessariamente, estar focada para um período superior a 5 anos. Isso acontece pela diluição de risco no período e porque a tendência é que, em prazos maiores, a bolsa (e as ações) passem por uma valorização.

Nesse momento, também é importante definir o quanto você pretende investir. Considere suas possibilidades financeiras e seus objetivos, já que alcançar valores maiores também costuma exigir aportes mais significativos.

Monte uma reserva de emergência

Antes de pensar em investir em ações e no recebimento de dividendos, é fundamental montar a sua reserva de emergência. Ela corresponde a um montante disponível para cobrir gastos imprevisíveis e que podem afetar o seu orçamento.

Nesse sentido, o ideal é juntar o equivalente a 6 meses de despesas médias. Se você perder seu emprego ou precisar deixá-lo, por exemplo, terá como se sustentar ao longo dos próximos meses.

Também é importante ter atenção com a necessidade de manter o poder de compra desse montante. Logo, não é interessante deixá-lo parado, pois isso leva à corrosão pela inflação e à diminuição do patrimônio.

O mais adequado é investir o montante em uma alternativa que seja, ao mesmo tempo, segura, líquida e capaz de render diariamente. Para atender a esses quesitos, o Tesouro Selic é uma opção a se considerar.

Existem também outras alternativas que podem cumprir esse papel. De qualquer forma, lembre-se de que a composição dessa reserva é condição indispensável antes de começar a investir em ações. Assim, você terá a segurança necessária para fazer outros aportes.

Escolha a instituição financeira

Para fazer os investimentos, quaisquer que sejam, é crucial contar com uma instituição financeira, como uma corretora de valores. É por meio dela que você terá acesso a diferentes ativos, incluindo as ações que são negociadas na bolsa de valores.

Para escolher a corretora, o primeiro passo é conferir se ela é credenciada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Isso o ajudará a evitar golpes financeiros, como pirâmides, pois há a garantia de regulamentação oficial.

Também é importante conferir quais são as taxas e demais cobranças da corretora. A avaliação permite que você esteja confortável com os valores praticados, de modo a evitar que sua rentabilidade seja corrompida.

Ainda, você pode observar outros aspectos, como disponibilidade de investimentos que não são negociados na bolsa, suporte, atendimento, plataforma etc. Um bom relacionamento com a instituição financeira o ajudará a compor e manter sua carteira ao longo do tempo.

Defina a alocação de ativos ideal

Embora o objetivo seja compor uma carteira de ações com dividendos mensais, é preciso entender o que isso representará em relação a todo o seu portfólio. Logo, identifique qual é a alocação de ativos ideal para as suas necessidades e características.

Nesse momento, dois são os critérios mais importantes: a tolerância ao risco e o objetivo de retorno. Quanto mais risco você tolerar e quanto mais quiser ganhar, maior tende a ser o espaço para renda variável.

Porém, mesmo considerando o investimento em renda variável é preciso planejar como ocorrerá a alocação. Com o foco em dividendos, é possível montar uma carteira focada apenas em ações e uma carteira voltada para os fundos imobiliários, por exemplo.

Essa diversificação diminui o risco de curto prazo, o que leva a uma redução do impacto da volatilidade. Além disso, FIIs podem gerar um fluxo mais previsível, já que diversos deles distribuem lucro mensalmente.

Na carteira de ações, também vale a pena pensar em outros aspectos de alocação. Você pode considerar, por exemplo, o investimento em ações brasileiras e em ações americanas. Isso ajuda a diluir o risco e pode favorecer o desempenho, devido à exposição internacional.

Defina o método para selecionar as ações

Após seguir os passos anteriores, você sabe como se preparar para investir em ações de modo que faça sentido para a sua realidade. Agora, é necessário saber como escolher as ações que farão parte da carteira.

Independentemente do foco em dividendos mensais, é indicado recorrer à análise fundamentalista. Ela envolve os indicadores fundamentalistas de ações e ajuda a perceber oportunidades e perspectivas sobre a atuação dos negócios.

Entre os indicadores, é possível utilizar o dividend yield (DY). Ele é dado pelo valor de dividendos pagos por ação nos últimos 12 meses divididos pelo preço da ação no momento do investimento. Em geral, empresas com DY maior são melhores pagadoras de dividendos.

Porém, é preciso saber que somente avaliar esse indicador não é suficiente. Há muitas outras condições que interferem na capacidade de uma empresa pagar dividendos mensais. Portanto, é indispensável utilizar um método que possa ser replicado ao longo do tempo.

Quais são os métodos para selecionar ações?

ações

Já que o método é essencial na sua estratégia, a seguir você conhecerá três opções que podem ajudar a encontrar os ativos de interesse!

Método Clube do Valor

A primeira metodologia é a que desenvolvemos aqui no Clube do Valor. Ela não é exatamente voltada para empresas pagadoras de dividendos, pois foca nas ações mais baratas da bolsa. Porém, como são oportunidades descontadas, podem oferecer maior retorno financeiro ao longo do tempo.

E isso pode incluir os dividendos. Para selecionar os ativos, o método prevê a aplicação de filtros. De acordo com eles, a empresa não pode:

  • ser um banco ou seguradora;
  • ter Ebit negativo ou não ter Ebit;
  • ter uma liquidez diária baixa
  • estar em recuperação judicial.

Após essa filtragem inicial, é o momento de utilizar o earning yield. Esse é um indicador dado pela relação entre o lucro operacional (Ebit) e o enterprise value (EV). O EV é o valor de mercado mais a dívida menos o caixa.

Com o cálculo, é possível saber quanto a empresa é capaz de gerar de resultados em relação a seu valor total. A partir disso, as ações devem ser classificadas de acordo com o earning yield, da maior para a menor.

O método prevê o investimento nas 20 empresas com maior earning yield, o que ajuda a garantir a diversificação. Porém, é preciso estabelecer um período para rebalanceamento — como o momento do final do ano.

Método Décio Bazin

Se você quiser utilizar uma abordagem que seja especificamente voltada para ações com dividendos mensais, pode utilizar o método descrito por Décio Bazin.

Ele foi um dos grandes investidores brasileiros e desenvolveu uma metodologia própria, que nós, do Clube do Valor, adaptamos com base em filtros. A ideia é remover empresas que:

  • tenham uma liquidez diária baixa
  • não cheguem a 6% ao ano de cash yield (que é o dividend yield em dólar).

Juntos, esses dois filtros são capazes de eliminar uma boa parte das ações negociadas no mercado brasileiro. A ideia é investir nos demais papéis que passarem por esse critério.

Também é importante estabelecer um período para realizar o rebalanceamento. Se um dos ativos não atender mais aos critérios, deve ser retirado. Se outra ação se encaixar nos critérios, deve ser incluída no portfólio.

Modelagem de carteira

Você também pode buscar ações com dividendos mensais por meio de uma modelagem de carteira. A ideia é replicar um portfólio teórico ou parte dele — o que pode ajudá-lo a encontrar oportunidades consistentes.

Uma das formas de fazer isso é considerando a carteira teórica do Índice de Dividendos (IDIV). Ele foi desenvolvido pela B3, a bolsa de valores brasileira, e conta com ações ordinárias (ON), preferenciais (PN) e units.

Para integrar essa carteira, é preciso que atender a três critérios principais São eles:

  • a empresa deve estar entre o um terço de companhias que mais pagaram dividendos nos últimos 36 meses;
  • a ação não pode ter apresentado DY igual a 0 nos últimos 12 meses, durante 36 meses;
  • a ação deve estar em 95% dos pregões e entre os 99% ativos mais negociados.

Em relação aos critérios de exclusão, estão certificados de depósito de valores mobiliários (BDRs), empresas em recuperação judicial ou em regime especial de administração. Desse modo, garantem-se critérios de liquidez e de pagamento de dividendos, de modo geral.

A partir dessa carteira, você pode escolher investir em todos os ativos e, assim, acompanhar o desempenho do índice, antes de taxas e impostos. Também pode optar por investir nas ações com maior peso para o índice ou montar sua carteira como quiser, com base nele.

Com esse passo a passo, você tem a chance de escolher ações com dividendos mensais de forma estratégica e fundamentada. Se quiser criar um portfólio alinhado, lembre-se de ter foco em seus objetivos e em suas características, como tolerância ao risco.

Deseja se aprofundar no nosso método Clube do Valor? Conheça nosso curso “Descomplicando o Mercado de Ações”!