Os 7 Principais Hábitos dos Maiores Investidores do Mundo e Como Você Pode Colocá-los em Prática

Alcançar a independência financeira não é tarefa fácil.

E eu já disse isso diversas vezes aqui no Clube do Valor.

Fazer o dinheiro trabalhar para você (e não o contrário) é o objetivo de muitos, mas poucos são os que conseguem efetivamente fazer isso.

O segredo dessas pessoas?

A resposta é simples: hábitos.

Sim, a construção de hábitos financeiros é o que pode te ajudar a alcançar a liberdade financeira e ser um investidor de sucesso.

Você não acredita nisso?

Então continue a leitura para aprender 7 hábitos de um investidor de sucesso e como colocá-los em prática.

Essa é uma leitura recomendada para todos.

Então fique aqui comigo para aprender mais sobre…

HÁBITO #1 – CONHEÇA VOCÊ MESMO E DESAFIE SUAS INTENÇÕES

O nosso cérebro é o resultado de anos e anos de evolução.

As lições aprendidas no passado sempre acabam encontrando um lugar específico em nossa massa cinzenta.

Isso vale tanto para as coisas pequenas, como pequenos hábitos do dia a dia, como para as maiores, como tendências incontroláveis.

Como resultado disso, nossas ações (e as suas consequências) nem sempre podem ser explicadas de forma racional.

Nós nem sempre sabemos o que estamos fazendo e porquê estamos fazendo.

Isso é o que explica a visão distorcida de uma pessoa com relação a um tipo de investimento em renda variável.

A tendência da maioria é seguir a “multidão”.

Ou pior: deixar ser (completamente) influenciado por sentimentos de medo ou ganância.

A aversão a perda sempre vai existir.

Afinal, somente os loucos gostariam de sair perdendo em uma negociação.

Porém, a tolerância ao risco é o conceito que precisamos aprender e entender como aplica-lo em nossa vida.

A partir do autoconhecimento, somos capazes de traçar o nosso perfil de investidor e entender o quanto estamos dispostos a enfrentar o risco.

Essa é uma atitude que qualquer investidor de sucesso fez no começo de sua caminhada.

Sem esse conhecimento, não há como saber para onde andar.

Você fica parado, estático.

E depois de passar por essa fase de autoconhecimento, ainda há mais uma etapa importante: desafiar suas próprias intenções.

Essa prática ajuda a validar as suas descobertas sobre si mesmo e ainda expandir seus horizontes.

E eu não estou falando apenas de conhecimento financeiro.

Quando a pessoa se conhece bem e desafia constantemente suas próprias intenções, acaba se dando bem em outros aspectos, como o pessoal e o profissional.

Portanto, pratique o hábito de conhecer a si mesmo.

Uma das formas de fazer isso é apostar no melhor investimento que você pode fazer hoje.

Quer aprender como definir sua tolerância ao risco e capacidade em assumir riscos?

Então assista esse nosso incrível vídeo sobre:


HÁBITO #2 – BUSCAR RENTABILIDADE EM VEZ DE SEGURANÇA

Em tempos de crise, é normal todo mundo “apertar o cinto”.

É durante esse período que as pessoas cortam despesas, pagam as suas dívidas e pensam apenas na segurança.

O que há de errado nisso?

Quase nada!

É nesses momentos que excelentes ideias de como economizar começam a surgir.

Como, por exemplo, diversas formas de gastar menos no supermercado.

Porém, o mindset totalmente voltado para a segurança ainda pode ser prejudicial.

Alguém que só está preocupado em proteger seu patrimônio pode acabar ficando “cego” para ótimas oportunidades do mercado.

Enquanto uns “surfam” em ondas favoráveis, outros esperam de forma irracional quando poderiam estar aproveitando momentos melhores com um risco igualmente baixo.

É esse foco na segurança que faz com que muitas pessoas simplesmente deixem seu dinheiro na Caderneta de Poupança, uma das modalidades mais superestimadas da economia brasileira.

Qual é a solução?

Para resolver esse problema, é preciso adotar o segundo hábito de investidores de sucesso: focar na rentabilidade.

Mas antes que você venha com uma pedra na mão dizendo que a rentabilidade X risco é um dos aspectos mais importantes para um investido, eu devolvo o questionamento: você por acaso leu o hábito #1?

Quando você tem autoconhecimento e sabe os seus limites (emocionais e financeiros), sempre acaba tomando a decisão correta.

Colocar a Caderneta de Poupança como a ovelha negra dos investimentos não é uma regra do mercado.

Pode ser que em algum momento essa possa ser uma boa alternativa.

Mas manter o dinheiro em uma única modalidade apenas porque o foco é a segurança (e não a rentabilidade) não é uma prática muito saudável se você quer alcançar a independência financeira.

É claro: não quero recomendar aqui que você saia arriscando seu precioso capital de forma desenfreada.

O que eu quero fazer é te alertar para o risco enorme de focar única e exclusivamente na segurança e abrir mão da rentabilidade nos seus investimentos.

Quer entender um pouco mais como otimizar essa relação entre segurança e rentabilidade?

Então leia agora esse completo artigo sobre alocação de ativos ou, se preferir, assista ao vídeo abaixo:

HÁBITO #3 – BUSCAR CONHECIMENTO

Autoconhecimento e foco na rentabilidade resolvem grandes problemas para a maioria dos investidores.

Mas a busca pelo conhecimento, um dos maiores hábitos de grandes investidores e profissionais importantes de outras áreas, é o que potencializa os ganhos de cada um.

O que Mark Zuckerberg (criador do Facebook), Bill Gates (criador da Microsoft) e Warren Buffet tem em comum?

Eles leem muitos livros.

Ou seja, estão em uma busca constante por conhecimento.

Se essas pessoas atingiram o topo de suas carreiras ainda se voltam aos livros para estudar, quebrar a cabeça e colocar em prática o aprendizado, por que você acha que vai ser um investido de sucesso sem fazer isso?

A leitura é uma arma poderosíssima para liberar o “poder interior” que existe em você.

Na verdade, esse poder vem do conhecimento que você adquiriu.

Estudar frequentemente é a escolha de quem quer colher bons frutos no futuro.

Falando em livros, eu tenho aqui 12 recomendações de obras sobre educação financeira e finanças pessoais que você precisa ler.

Esses são os livros que me ajudaram a construir o conhecimento que eu tenho hoje e me ajudam na tomada de decisões às vezes bem difíceis.

HÁBITO #4 – INVESTIR E NÃO ESPECULAR

Quem acompanha o Clube do Valor sabe que essa é uma recomendação tradicional por aqui.

Afinal, em outras ocasiões eu já falei bastante sobre especulação financeira.

Por isso peço licença para resgatar esse conceito tão importante e mal interpretado:

A especulação é uma operação de curto prazo, com foco no preço do ativo especulado em detrimento aos seus fundamentos, e com o objetivo de gerar um resultado muito superior ao do mercado, assumindo riscos que podem comprometer todo o capital aplicado.

Você nem precisa estar familiarizado com o conceito para entender que essa não é uma boa prática, na minha visão.

Todo investidor de sucesso foge de especulações financeiras.

O investidor investe, não especula.

O especulador não está interessado em manter seus ativos por um longo período de tempo.

O foco é o curto prazo.

A principal motivação é o lucro imediato e o potencial de lucro, nem que isso signifique arriscar todo (ou boa parte) do capital “investido”.

Especulador vs Investidor

Lembrando sempre que a especulação financeira não é a pior coisa que existe no mundo.

Na verdade, para o mercado financeiro, ela é ótima.

É essa prática que dá liquidez à economia e faz com que seja possível (e às vezes fácil) transformar seu dinheiro em algum ativo e vice versa.

Acredite: você só consegue comprar ações, fundos imobiliários, imóveis e outros produtos financeiros porque há pessoas dispostas há vendê-los para você.

E nesse universo de compradores e vendedores, sempre haverá os especuladores.

Portanto, não “crucifique” a especulação financeira.

Ela é benéfica para o mercado e precisa continuar existindo.

Porém, recomendo que você não a pratique, especialmente porque esse é um hábito de um investidor de sucesso.

Por fim, uma breve explicação da diferença entre especulação e investimento.

HÁBITO #5 – SEGUIR O PLANEJAMENTO

Parece óbvio, não é mesmo?

Mas deixe-me contar uma história que pode ajudá-lo a entender o quão difícil é seguir o planejamento.

O conto foi retirado do livro “Odisséia”, obra escrita por Homero, considerado por muitos o homem mais sábio que já existiu.

Entre vários poemas, Homero conta a história de Ulisses, um guerreiro que voltava para casa em sua embarcação após ter vencido uma guerra.

Diferente de tantos contos gregos, Ulisses era uma pessoa normal.

Ele não era um deus, um semideus ou uma figura mitológica.

Apesar de ser um exímio guerreiro, ele era tão humano quanto eu e você.

No caminho para casa, a embarcação de Ulisses e seus companheiros teria que passar próximo à Ilha de Capri, uma ilha rochosa cheia de sereias.

O lugar era conhecido por suas histórias nada agradáveis.

Enganados pelos cantos das serias, diversas embarcações acabaram naufragando ao ir de encontro com as pedras dessa “ilha amaldiçoada”.

O plano (ou planejamento) de Ulisses era seguir adiante e não ser iludido pelos encantos das serias.

O que ele fez para conseguir concluir seu objetivo?

O sábio guerreiro ordenou que seus marinheiros tapassem seus ouvidos para que não fossem ludibriados pelo som vindo da Ilha de Capri.

Ao mesmo tempo, ordenou que seus companheiros o amarrassem no mastro e não o tirasse de lá até que tivessem passado por essa ilha.

Ao se aproximar dela, o canto das serias logo começou e Ulisses gritava desesperadamente para que seus marujos virassem a embarcação em direção a esse som envolvente.

“Surdos” para o seu líder, os marinheiros continuaram o trajeto para casa e conseguiram chegar são e salvos depois de terem passado por essa provação.

O que essa história nos ensina?

A tentação de não seguir o planejamento, seja através da procrastinação, desculpas ou até mesmo por motivos genuínos, vai surgir.

Mas o que você vai fazer para que isso não aconteça?

Ulisses precisou ser amarrado em um mastro para concluir seu objetivo.

E você, o que precisa fazer para seguir o planejamento e manter o controle de suas ações e as consequências delas?

HÁBITO #6 – NÃO DEIXE PARA AMANHÃ O QUE VOCÊ PODE FAZER HOJE

Dentre os hábitos que você vai conhecer aqui hoje, esse provavelmente é o mais “clichê”.

Mas na verdade estamos diante de uma verdade inconveniente.

Afinal, por quanto tempo você tem deixado aquela sua ideia no papel em vez de tentar colocá-la em prática para ver qual é o resultado?

Por quanto tempo você tem planejado, planejado, planejado e deixado de seguir com o planejado (lembre-se do hábito #5)?

A grande maioria das pessoas procrastina e acaba deixando para fazer depois o que poderiam estar fazendo hoje.

A dica não poderia ser mais óbvia: não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje.

O seus pais, avós e professores provavelmente já diziam isso para você na sua juventude.

Porém, hoje é muito provável que você esteja na idade de tomar suas próprias decisões.

É verdade que muitos não fazem com medo de errar.

É aí que entra a importância dos hábitos #1 (autoconhecimento) e #3 (buscar conhecimento).

Aqui eu resgato a frase daquele que é considerado o melhor jogador de basquete do mundo, Michael Jordan:

“Você erra 100% das bolas que não arremessa”

Pare de encontrar motivos para deixar para amanhã o que você pode (e deve) fazer hoje).

Esse é um dos hábitos mais importantes de um investidor de sucesso.

HÁBITO #7 – MOTIVE-SE

Eu sei que é difícil seguir o planejamento.

Também pode ser complicado fazer hoje o que você poderia deixar para amanhã.

Concordo que também é fácil seguir adiante sem praticar o autoconhecimento e desafiar suas próprias intenções.

É por isso que você precisa se manter motivado.

Constantemente motivado.

Uma das melhores formas de fazer isso é lembrar de seus objetivos com frequência.

Você quer comprar seu imóvel?

Fazer a viagem dos seus sonhos?

Casar?

Ajudar seus pais, irmãos e outros familiares?

Fazer um fundo de emergência?

Conquistar a independência financeira?

Lembre-se constantemente do que o motiva e assim você conseguirá incorporar esses hábitos com mais facilidade.

CONCLUSÃO

O artigo de hoje não foi fácil de escrever.

Eu sei que precisei cutucar a ferida de muitos leitores.

São apenas sete hábitos, mas são mudanças que com certeza não serão incorporadas logo após você finalizar a leitura.

É por isso que aí vai uma dica: pegue um desses hábitos e comece a implementá-lo aos poucos na sua rotina.

Não tente começar colocando em prática essas sete mudanças.

Você certamente vai fracassar.

Escolha um desses hábitos a serem cultivados (minha sugestão é o #3) e tente incorporá-lo no seu dia a dia.

E lembre-se: o segredo para criação de bons hábitos é a disciplina.

Com o tempo, uma tarefa repetida diversas vezes se torna um hábito e você não gastará mais tanta energia para colocá-lo em prática recorrentemente.

Depois disso, comece a atacar outras mudanças até que você finalmente comece a praticar todos os hábitos de investidores de sucesso.

Essa é a mensagem de hoje!

Se você gostou desse artigo, então certamente irá adorar esses outros posts sobre educação financeira:

Um forte abraço,

Ramiro.

  • Rodrigo Machado

    Antes de adquirir conhecimento, eu fazia investimentos na bolsa de valores com medo e inseguro. Posso dizer que nesta época eu era averso a risco, mas investia na bolsa de valores com esperança de Ganhar, mas fui iludido. Após adquirir conhecimento, o meu perfil continua o mesmo: Conservador. Mas faço as coisas com total segurança e sem medo. Então resumindo, o conhecimento é realmente um dos primeiros hábitos essenciais para investidor de sucesso. Abraços

    • Ramiro Gomes Ferreira

      Grande Rodrigo! Muito obrigado por compartilhar conosco a sua experiência.

      Essas trocas de vivências são muito bacanas para complementar bem o conteúdo do artigo. Fico feliz em saber que hoje você investe com muito mais segurança e que o que gerou essa segurança foi o conhecimento adquirido ao longo do tempo.

      Forte abraço!