Sempre que você nos vê falando sobre investimentos por aqui, uma das dicas é que você descubra o seu perfil de investidor para saber qual é o melhor tipo de investimento para você. Porém, para traçar este perfil, é necessário entender a sua tolerância ao risco.

Isso porque existem investimentos mais conservadores, no qual o risco de variação (ganhar e perder) é muito baixo, enquanto nos investimentos mais arriscados os ganhos são muito maiores, mas também as perdas.

Muitas pessoas se preocupam em ver seu dinheiro “sumindo” dependendo da variação do mercado e acabam tomando decisões precipitadas, perdendo ainda mais dinheiro. Por isso, entender qual é a sua tolerância ao risco faz parte de uma estratégia financeira bem-sucedida.

Mas você sabe o que é tolerância ao risco de fato? E como calcular ela? Siga lendo este artigo e descubra isso e muito mais!

O que é tolerância ao risco?

Tolerância ao risco: qual é a sua?

A tolerância ao risco está relacionada ao seu perfil de investidor e ao seu modo de encarar as decisões da vida. Ou seja, as escolhas que você faz ao dia devem ter a capacidade de te fazer dormir de forma tranquila durante à noite.

Não existe um modo certo ou errado de agir no mundo dos investimentos. Mas existe o modo que você consegue lidar.

No caso, você precisa se analisar para identificar o quanto de perda consegue suportar antes de obter algum ganho.

Por exemplo, o mercado de renda variável é o que pode trazer um retorno maior sobre o seu investimento. Mas, por ser variável e imprevisível, podem haver muitas oscilações negativas em um curto período de tempo que – em um período maior – podem se recuperar.

Saber identificar o quanto você consegue ver seu dinheiro “sumindo” sem se precipitar está diretamente ligado ao seu nível de tolerância ao risco.

O que é capacidade de risco?

Já a capacidade de risco é o quanto você pode, efetivamente, investir. Neste caso, fatores como sua renda, sua idade e a necessidade de alcançar um certo montante de recursos são essenciais para você analisar.

Ou seja, sua capacidade de risco é o quanto você conseguiu economizar de dinheiro, o quanto você ganha e está disposto a fazer de aportes mensais e quantos anos ainda há pela frente.

Qual a diferença entre tolerância ao risco e capacidade de risco?

Enquanto a tolerância ao risco é uma característica mais do seu perfil, a capacidade de risco é a possibilidade de você exercer este perfil na prática.

Por exemplo, você pode possuir uma alta tolerância ao risco, podendo assumir investimentos mais agressivos sem se preocupar com isso. Porém, se você não tem o dinheiro para investir (um mínimo guardado), nem uma renda mensal capaz de fazer aportes regulares e uma idade que já não lhe permite tanto tempo de investimentos, você não conseguirá assumir os riscos que gostaria.

O que é critério de risco?

(Alt: Tolerância ao risco x Capacidade de risco)

O critério de risco está associado à capacidade que um ativo tem de oscilar ou não. Por exemplo, quando você investe em renda variável, há um alto critério de risco, pois é esperado que aquele ativo oscile bastante – tanto de forma positiva como negativa.

Já para uma renda fixa, por exemplo, se espera que o nível de oscilação seja menor, por ser um investimento mais conservador.

Neste sentido, os critérios de risco são as características que você pode identificar nos investimentos para ajudar a tomar suas decisões, como capacidade de variação, valorização ao longo dos anos, atual cenário do setor, etc.

Como calcular o meu nível de tolerância ao risco?

Para calcular o nível de tolerância, você pode usar alguns testes para descobrir o seu perfil de investidor. No geral, antes de poder investir, é feito um questionário para identificar a sua tolerância.

Perguntas como “o que é mais importante para você em um investimento”, “ o que você faria se visse um ativo caindo 10% em um único dia?” e “ qual é o seu nível de conhecimento sobre investimentos?” podem lhe ajudar a identificar o seu perfil de investidor.

Como identificar um risco?

Identificar um risco pode ser muito difícil, porém há algumas características que você pode analisar para descobrir um caminho a seguir.

Para tentar identificar um risco, analise onde, quando, porquê e como algo poderia ocorrer.

Dando um exemplo na bolsa de valores: você irá investir seu dinheiro num ativo específico, então tente estudar mais sobre o histórico da empresa, do setor, as possibilidades de ela vir a falir ou crescer ainda mais, entre outros.

Entender o que você está fazendo e onde você está investindo pode te ajudar a lidar melhor com os riscos que você irá se expor ao longo do tempo.

Quais são os fatores usados para se realizar a avaliação de risco?

Para se fazer uma avaliação de risco, alguns fatores podem ser analisados, como:

  • Identificar os riscos passados e existentes;
  • Avaliar o nível dos riscos;
  • Buscar soluções preventivas;
  • Implementar soluções, caso necessário.

Ou seja, após fazer a análise de riscos dos seus investimentos, trace um plano de soluções para você saber como agir, caso o pior cenário aconteça. Algumas perguntas podem lhe ajudar neste processo, como “devo retirar o meu dinheiro?” ou “devo investir ainda mais, pois é só uma fase?”.

Perfil do investidor e a tolerância ao risco

Como mencionei, entender a sua tolerância ao risco está ligada ao seu perfil de investidor. Veja quais são estes perfis:

  • Investidor conservador: possui baixa tolerância ao risco, não querendo comprometer os investimentos. Não tolera grandes oscilações no mercado e, por isso, prioriza investimentos com maior segurança. Investimentos de renda fixa como Tesouro Direto e CDBs podem ser uma boa opção;
  • Investidor moderado: apesar de ter como prioridade a segurança dos seus investimentos, também gosta de arriscar um pouco para aumentar a rentabilidade. Este investidor investe tanto em renda fixa quanto em renda variável, optando por empresas mais consolidadas no mercado;
  • Investir agressivo: possui uma alta tolerância ao risco, pois prefere abrir mão de segurança para obter maior retorno. Seus principais investimentos são em produtos mais arriscados, como ações, contratos futuros e criptoativos.

Lembrando sempre que o ideal é você montar uma carteira de investimentos diversificada e alinhada com quem você é.

: avesso ao risco x apetite ao risco

O que é um investidor avesso ao risco?

Um investidor avesso ao risco é aquele cujo perfil é conservador.

Ou seja, ele prefere investir seu dinheiro apenas em investimentos mais seguros, cuja previsibilidade é certa e sem passar pelas oscilações do mercado.

O que é apetite aos riscos?

Já o apetite aos riscos quem possui é o investidor agressivo ou arrojado.

Por entender que para ter um lucro maior também se precisa correr mais riscos, este perfil está sempre investindo em produtos mais arriscados, como criptomoedas e start ups.

O que faz um profissional de risco?

Um profissional de risco é responsável pelo monitoramento diário dos riscos que podem acontecer na carteira de seus clientes, dependendo de diversas variáveis de mercado, de liquidez, de enquadramento regulatório e de crédito, por exemplo.

Além disso, avalia os possíveis riscos, suas variações e fica ligado nas oportunidades do mercado financeiro, podendo ajudar o seu cliente a tomar decisões que sejam interessantes para a estratégia estabelecida.

O que é um mapa de risco?

Um mapa de risco é uma representação gráfica para ajudar nas análises e avaliações de risco dos investimentos.

Ou seja, é uma maneira visualmente mais agradável de analisar os dados, podendo ser composta de tabelas, gráficos e de mapa mental.

Quais são os investimentos de risco?

Os investimentos de risco são, em sua maioria, ligados à renda variável já que tem maior capacidade de oscilar positiva e negativamente.

Assim, apesar dos ganhos poderem ser altos, as perdas também acompanham este movimento.

Os principais investimentos de alto risco são:

  • Ações;
  • Investidor anjo de start ups;
  • Contrato futuro (opções);
  • Criptoativos.
 Investimentos de risco

Qual é o risco do fundo de investimento?

O risco do fundo de investimento é inerente aos ativos que compõem a carteira. Por isso, é interessante analisar os ativos daquele fundo em específico, podendo variar de fundo para fundo.

Assim, os três principais riscos de um fundo de investimentos estão ligados ao mercado, ao crédito e à liquidez.

Qual o melhor investimento de baixo risco?

O investimento de baixo risco mais seguro no Brasil, hoje, é o Tesouro Direto. Ele está, normalmente, atrelado à Taxa Selic e possui retorno garantido de investimento para resgates na data de validade do tesouro escolhido.

Outro investimento de baixo risco que pode ser bastante interessante são os CDBs, que acompanham o CDI.

Descubra o seu melhor tipo de investimento com o Clube do Valor

Ficou curioso para descobrir qual é o melhor tipo de investimento para você? Primeiro, precisamos traçar o seu perfil de investidor, identificar a sua capacidade de risco e a sua estratégia.

Por isso, entre em contato com os nossos consultores financeiros para descobrir o investimento que funciona no seu caso!

Além disso, não deixe de conferir os nossos conteúdos gratuitos para continuar desenvolvendo a sua educação financeira no instagramyoutube e facebook.