Todo mundo que tem planos financeiros de longo prazo deve pensar em investir em ações na Bolsa de Valores.

Isso porque, ao longo dos anos, o investimento no mercado de ações feito da forma certa teria tido resultados amplamente superiores aos da renda fixa.

E isso considerando mesmo o método mais simples e básico de investimento: o direto no Ibovespa.

Esse investimento garantiu um retorno composto médio de 7.09% a.a. entre 1975 e 2020, mais do que os 6.25% a.a. da SELIC no mesmo período.

Portanto, se você pretende ter uma rentabilidade de longo prazo alta o suficiente para multiplicar o seu patrimônio e assegurar uma boa aposentadoria, deve começar a aprender sobre a Bolsa.

E é justamente para ajudar com isso que eu criei este Guia!

Trata-se de um material quase tão completo quanto um curso (mas gratuito e em formato de artigo) que vai te ensinar tudo que você precisa entender para começar a investir em ações com sucesso!

Então me acompanha nessa aula que eu sei que vai mudar sua vida financeira para sempre!

PASSO #1 – POR QUE INVESTIR EM AÇÕES? 

planejamento de finanças pessoais - crie objetivos por escrito

Um dos princípios fundamentais que todo bom investidor deve seguir é o da clareza.

E isso não é importante apenas na hora de investir de fato, mas também antes de investir um centavo sequer.

É para isso que serve a Fórmula 1.5+.

Para aplicá-la, o investidor deve dividir seus objetivos por prazo para conquista.

A divisão deve ser feita em curto (até 1 ano), médio (entre 1 e 5 anos) e longo prazo (mais de 5 anos)

Por isso o nome 1.5+.

Então, esse é seu primeiro exercício: liste todos os seus objetivos de vida.

Pode ser uma viagem, uma reforma na casa, um computador novo ou mesmo a sua independência financeira.

Em seguida, estime o valor financeiro aproximado (a dinheiro de hoje) que seria necessário para cada objetivo, e prazo no qual você quer conquistá-los.

Assim, vai saber quanto de seu patrimônio atual pode destinar aos seus objetivos de longo prazo!

Lembre-se: você deve investir em ações apenas o seu dinheiro para objetivos de longo prazo (mais de 5 anos)!

PASSO #2 – QUANTO EU POSSO INVESTIR EM AÇÕES?

Risco em Investimentos

Agora que você já tem uma noção melhor dos seus objetivos de longo prazo, e do valor necessário para eles, o próximo passo é definir quanto do seu dinheiro para o longo prazo você pode investir no máximo em ações!

Isso mesmo: não é só porque você está investindo para o longo prazo que pode simplesmente colocar todo este dinheiro na Bolsa.

É preciso fazer um cálculo com base em sua capacidade de assumir riscos.

Isso pode ser feito a partir da fórmula simples de tolerância ao risco abaixo:

$$ para investir em ações = $$ para o longo prazo x (2 x % Tolerância ao Risco) 

A premissa básica dessa fórmula é que, se diversificar bem sua carteira de ações, a queda máxima dela em um cenário de estresse tende a ser de 40%.

No entanto, vamos considerar 50% para esse cálculo, para sermos mais conservadores.⁠

É uma fórmula bem simples que diz o seguinte:

“Você pode investir em ações o dobro do que você tolera ver sua carteira cair, pois dificilmente a parte de ações de sua carteira cairá mais do que 50%.⁠⁠”

Por exemplo: se você tem 10.000 reais para investir e está disposto a ver sua carteira cair no MÁXIMO 15%, a fórmula ficaria assim:⁠⁠

$ para Investir em Ações = 10.000 x (2 x 0,15)⁠ <- Lembre-se de usar a porcentagem em forma decimal

$ para Investir em Ações = 10.000 x 0,3⁠

$ para Investir em Ações = 3.000⁠

Ou seja, você poderia investir em ações 3.000 reais, e deveria colocar os outros 7.000 em ativos mais seguros de longo prazo, como na renda fixa!⁠⁠

Isso é muito simples de calcular, e vai te dar uma segurança muito maior na hora de investir em renda variável!⁠

PASSO #3 – COMO INVESTIR MINHA RESERVA DE EMERGÊNCIA? 

Antes de investir em renda variável, é ESSENCIAL ter uma Reserva de Emergência formada e investida.

Essa é aquela reserva monetária que você deve guardar para o caso de alguma emergência grave que demande bastante dinheiro, ou para o caso de você ter que largar seu emprego.

Também chamada de “Colchão de Liquidez”, o montante de sua reserva deve consistir de 3 a 12 meses de seus gastos mensais médios.

Esse montante depende do quão difícil é para você recuperar um fluxo de renda caso perca o seu atual.

Seu Colchão de Liquidez deve estar investido em um ativo com as seguintes características:

  • Renda Fixa
  • Com o mínimo de risco possível
  • Com Liquidez Diária (ou no máximo em D+1)
  • Que suba todo dia um pouco.

Você não deve nunca investir sua Reserva de Emergência em ativos de renda variável, ou com amplo risco envolvido.

Também não deve investi-la em ativos nos quais ela pode ficar “presa”. Se você um dia precisar sacá-la, é bem possível que precise desse dinheiro rápido.

E, finalmente, é sempre importante lembrar: você não está procurando por grandes rendimentos para seu Colchão de Liquidez.

A ideia desse investimento é apenas postergar seu consumo, e manter esse dinheiro seguro e rendendo para que você possa utilizá-lo caso seja emergencialmente necessário.

E, observando todos esses pontos, temos 4 recomendações principais para investimentos para sua Reserva de Emergência:

PASSO #4 – ENTENDER O BÁSICO DA BOLSA DE VALORES

Como funciona a bolsa de valores

Antes de começar a investir em ações, é importante também entender bem algumas noções básicas da Bolsa de Valores, como:

O que é a Bolsa de Valores? É um ambiente organizado e regulamentado onde investidores podem comprar e vender ações entre outros ativos mobiliários.

Por que empresas emitem ações? Para captação de capital.

Empresas, quando precisam de capital para algum plano, podem recorrer a terceiros, contraindo dívidas, ou vender parte de seu negócio na Bolsa em um processo chamado de IPO!

O que é uma ação? Imagine uma casa. Qual a menor parte desta casa? É um tijolo dela.

Agora imagine que a casa é uma empresa e o tijolo uma ação. Ações são a menor parte do capital social de uma empresa!

Por que os preços das ações variam? Como disse um dos pais do Value Investing, Benjamin Graham:

“A Bolsa, no curto prazo o mercado é como uma urna de sentimentos, e no longo prazo, como uma balança”

Ou seja, no curto prazo as oscilações dos papéis se devem ao otimismo ou pessimismo dos investidores.

Já no longo prazo, é o valor real das empresas por trás das ações que dita seus preços!

Esses são apenas alguns dos conhecimentos básicos que você deve ter antes de começar a investir na Bolsa de Valores. 

É sempre bom continuar estudando para ampliar seus conhecimentos ao longo do tempo.

Isso deixará sua jornada como investidor bem mais tranquila!

Nosso canal do YouTube pode ajudar bastante com isso!

PASSO #5 – ENTENDER OS MÚLTIPLOS DE AÇÕES BÁSICOS

dicas-de-investimentos

É importante que você entenda pelo menos o básico dos múltiplos de ações antes de começar a investir nelas!

Esses são os indicadores utilizados para transmitir algumas informações importantes sobre ações através de números!

Selecionamos 9 deles que achamos que você deve entender bem antes de começar a investir!

1. P/L (Preço por Lucro)

É a relação do preço da ação pelo lucro da ação. Indica o quão barata a ação está em relação ao seu desempenho no último ano.

Quanto mais baixo, mais lucro a ação dá em relação ao preço dela.

2. P/VPA (Preço por Valor Patrimonial da Ação

Preço da Ação dividido pelo Valor Patrimonial Líquido por ação.

Informa quanto o mercado está disposto a pagar sobre o Patrimônio Líquido da empresa.

3. Ev (Enterprise Value – Valor da Empresa)

É o Valor Total da Empresa, que corresponde ao Valor de mercado da mesma somando-se as dívidas e subtraindo-se o caixa dela.

Representa quanto você precisaria pagar para comprar a companhia inteira a dinheiro de hoje, pagando suas dívidas e ficando com seu caixa.

4. Ebit (Earnings Before Interest and Taxes – Resultado Líquido)

É o resultado operacional da empresa antes de considerar juros e impostos.

5. Ev/Ebit (Enterprise Value por Ebit)

É a relação entre o Valor Total da Empresa e resultado operacional da empresa no último período.

É a melhor forma de encontrar empresas descontadas no mercado!

6. ROE (Return on Equity – Retorno sobre Patrimônio)

Representa a rentabilidade da empresa em relação ao seu patrimônio.

Quanto mais alto, maior o Lucro Líquido da empresa em relação ao seu Patrimônio Líquido.

7. ROIC (Return on Invested Capital – Retorno sobre Capital Investido)

Indica o retorno da empresa em relação ao capital investido por ela.

Quanto mais alta, mais retorno os investimentos feitos pela empresa dão!

8. Dividend Yield (Rendimento do Dividendo)

É a relação entre os dividendos que a ação pagou no último ano pelo preço da ação.

Quanto mais alto, mais a ação rendeu em relação ao preço pago pelo investidor por ela!

9. Dividend Payout (Pagamento de Dividendos)

É o percentual do lucro da empresa que é distribuído entre os acionistas como dividendos ou Juros sobre Capital Próprio.

Quanto mais alto, mais lucros a empresa distribui (e menos reinveste em si mesma)

Esses são os 9 indicadores básicos que acreditamos que todo investidor deve conhecer.

Quando você sentir segurança em seu conhecimento de todos eles, pode seguir adiante!

PASSO #6 – ESCOLHER UMA CORRETORA

Escolha corretora de valores

Para investir em ações, é sempre necessário ter conta numa corretora.

Ela age como uma “ponte” entre você e a Bolsa de Valores, permitindo que você compre e venda ativos na B3 com facilidade.

E a escolha da corretora é, infelizmente, algo que trava muitos investidores logo no começo.

Eles ficam na dúvida “Mas qual a MELHOR corretora?”

Podemos te falar que isso não existe, e você não deve perder tempo procurando isso.

Nossa recomendação é apenas que você pare durante 1h de sua vida, e estude as maiores opções de mercado.

Depois disso, simplesmente escolha, sem drama e demora, uma que:

1- Seja credenciada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários)

2- Tenha taxas e custos que você se sente confortável pagando.

3- Tenha uma boa reputação no ReclameAqui.

Se a corretora que você escolheu cumprir esses 3 requisitos, ela já será boa o suficiente para você.

Nossa dica é: não perca tempo procurando a melhor opção possível. Escolha uma que te deixa confortável e que vai permitir que você invista logo!

PASSO #7 – ESTRATÉGIA PARA INVESTIR EM AÇÕES

O próximo passo essencial para investir corretamente em ações é escolher uma estratégia que você entende e que você vai conseguir aplicar em sua carteira.

Existem dezenas de estratégias de investimento em ações, baseadas em vários fatores, como:

  • P/L
  • P/VPA
  • Ev/Ebit
  • Fluxo de Caixa Descontado
  • Dividend Yield
  • entre outros…

Também existem as que ensinamos aqui no Clube do Valor, como a estratégia Bull Bear de investimento passivo no Brasil e nos EUA.

Esta técnica é ótima para iniciantes e é ela que ensinamos em nosso curso Minha Primeira Carteira de Ações!

Ou a D.O.B.R.A.R., que ensinamos no curso Descomplicando o Mercado de Ações e usamos nas carteiras dos nossos clientes de Gestão de Investimentos!

Essa estratégia, por sua vez, é ideal para quem já tem um pouco mais de patrimônio e quer escolher as ações com mais potencial de crescimento com base no Value Investing.

De qualquer forma, o essencial é que você siga uma estratégia que você entende e que te dê clareza quantitativa de quando comprar ou vender uma ação!

PASSO #8 – INVESTIR EM AÇÕES

melhores-acoes-para-investir

O passo número #8 é aquele no qual você vai realmente consolidar seu investimento em ações.

É o momento de abrir o seu Home Broker e comprar suas ações ou ETFs – dependendo de sua estratégia – com o dinheiro para longo prazo que sua tolerância ao risco permite que você invista na Bolsa.

É necessária muita atenção para não cometer erros operacionais, e recomendamos que salve informações importantes de seus investimentos em uma planilha, como:

  • Ações compradas
  • Data de compra
  • Preço de compra
  • Quantidade de cotas
  • Taxa de corretagem
  • Emolumentos e taxas da B3 pagas

Além disso, recomendo que você baixe as notas de corretagem para facilitar na declaração do Imposto de Renda!

Faça esses controles toda vez que for investir em ações – ou qualquer outro tipo de ativo!

PASSO #9 – APORTES E REBALANCEAMENTOS – FAZENDO A MANUTENÇÃO DE SUA CARTEIRA

Benjamin Graham

Agora que você já adquiriu todos os conhecimentos básicos necessários para investir em ações e já fez seus investimentos, pode estar achando que a parte mais importante já passou.

Mas ela vem agora.

A parte mais importante dos investimentos – sejam eles em ações ou em qualquer outro tipo de ativo – é manter sua carteira seguindo em frente.

Como eu sempre digo:

“Para fazer um bom churrasco, não adianta ter o melhor assador, os melhores cortes de carne e os melhores temperos se faltar… carvão.”

E, nos investimentos, os aportes são o carvão.

Por isso, recomendamos que separe uma parcela de sua renda mensal para aportar – ou seja, adicionar ao valor que já tem investido – para manter sua carteira crescendo.

Uma forma de fazer isso é o Pay Yourself First, ou seja, quando receber a sua renda mensal, separar imediatamente uma parcela dela (como 15% por exemplo) para investir para seu futuro, antes de gastar em qualquer outra coisa.

Além dos aportes, uma boa carteira deve ser rebalanceada periodicamente. 

Rebalancear a carteira significa vender os ativos que subiram e comprar mais dos que caíram.

Sejam ele extraclasse, como rebalancear as proporções de ações, FIIs, ações americanas; ou intraclasse, como o rebalanceamento das próprias ações para mantê-las proporcionais na carteira.

Recomendamos que esse rebalanceamento seja feito de 3 em 3 meses, de preferência, mas você pode optar por fazê-lo de 6 em 6 ou de 12 em 12 meses!

Porém, não deixe de rebalancear a sua carteira.

Isso é importantíssimo para manter seus ganhos a longo prazo!

O CAMINHO PARA O INVESTIMENTO DE SUCESSO NA BOLSA DE VALORES

necessidades futuras de dinheiro

Quando passar por todos os pontos deste guia, você vai poder se considerar um investidor da Bolsa de Valores!

Mas, para ter sucesso nesta caminhada, é importante seguir trabalhando!

Aportar regularmente (inclusive aumentando sua renda e seus aportes), seguir sua estratégia com disciplina, reconhecer que renda variável pode cair, e que sua carteira não vai ir bem sempre…

Essas são apenas algumas das coisas que você deve manter em mente!

Mas, se você se mantiver no caminho certo, eu sei que o caminho para sua Independência Financeira vai ser muito tranquilo!

E, para te ajudar a começar essa caminhada com muito mais tranquilidade, deixo aqui um convite para conhecer meu treinamento Minha Primeira Carteira de Ações.

Esse curso rápido, simples, e muito em conta vai te ensinar tudo que você precisa saber desde o mais básico sobre a Bolsa até o começo de seus investimentos de fato!

Além disso, ele te proporciona a minha estratégia Bull Bear, que te ajuda a já começar na Bolsa com uma carteira diversificada e segura, mesmo com pouco dinheiro!

Você pode conhecer o Minha Primeira Carteira de Ações aqui!

E, no caso de qualquer dúvida, não deixe de comentar abaixo ou mandar um e-mail para [email protected]

Com isso, me despeço por hoje!

Um forte abraço,

Ramiro Gomes Ferreira